» SERVIÇO SOS AUTISMO

» REDES SOCIAIS

» O SEU DONATIVO

» PARCEIROS

» NOTICIAS

Autismo

 

O Autismo é uma importante parte de quem sou. Não a mudaria porque gosto da maneira lógica como penso.

Temple Grandin

 

O Autismo, ou perturbação do espetro Autista (PEA), é uma perturbação do desenvolvimento que afeta o comportamento, gerando dificuldades de interação social, comportamentos esteriotipados ou repetitivos e dificuldades na comunicação verbal, não verbal e social.

 

 

Em 2013 a definição de Autismo foi revista no Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, DSM-V, sendo atualmente considerado um espetro, isto é, um conjunto contínuo de várias intensidades da mesma perturbação. Termos como o Síndroma de Asperger ou Autismo clássico caíram por isso e desuso.

 


O nível de severidade da perturbação do espetro autista é também especificado no DSM-5 e varia entre o nível 3 - o mais severo - ao nível 1, de acordo com o grau de dependência ou de suporte que necessita.

 


O autismo é atualmente caracterizado em duas áreas: comunicação social e défices e comportamentos fixos ou repetitivos. Os défices na comunicação não são mais considerados por estarem intimamente ligados à socialização: dificuldades na comunicação atrasam a socialização mas dificuldades em socializar também atrasam o desenvovimento da comunicação. Para além disso, atraso na linguagem nem sempre se verifica em todos os casos como no Síndroma de Asperger.

 

Quais são as capacidades e dificuldades


Por ser um espetro, o Autismo manifesta-se de forma muito diferente de caso para caso. É bastante improvável que duas pessoas com Autismo partilhem todos os mesmos sintomas ou manifestem os mesmos comportamentos, dificuldades e capacidades.

 


Alguns sintomas associados ao Autismo podem ser dificuldades motoras e de coordenação, dificuldades de concentração, atrasos intelectuais e outras condições de saúde como perturbação do sono, problemas gastrointestinais, distúrbios epilépticos ou doenças genéticas  (entre 10% a 15% verifica-se Síndroma do X frágil, Síndroma de Angleman, esclerose tuberosa, Síndroma da duplicação do cromossoma 15, Síndroma de Dravet, entre outros).

 


No entanto também se podem manifestar capacidades de excelência nas áreas da música, matemática, arte entre outras. Cerca de 40% das pessoas com Autismo têm capacidades dentro ou acima da média e apenas cerca de 25% são não verbais. Ainda assim, estes podem ser ensinados a comunicar.

 

O que esperar no futuro


É impossível prever como uma criança se irá desenvolver até à idade adulta e como se irá comportar, tal como qualquer outra criança. Os comportamentos observados em criança podem ser completamente diferentes daqueles que irá manifestar na adolescência ou em idade adulta.

 


Embora não tenha cura, o Autismo tem tratamento. Principalmente se a intervenção for precoce, crianças com Autismo conseguem aprender a comunicar, a socializar, a controlar comportamentos repetitivos e desadequados e a obter autonomia.

 


As crianças podem, e devem, ser integradas em turmas escolares típicas. A intervenção deve ser preferencialmente feita antes deste período. Em alguns casos, a terapia intensiva leva a que o diagnóstico PEA caia (os requisitos do diagnóstico deixam de se verificar).

 


Pessoas com autismo sentem as mesmas emoções que qualquer outra pessoa: felicidade, amor, medo, tristeza. Não são pessoas frias ou sem sentimentos, apenas expressam as emoções de forma diferente do habitual. Por vezes são sentidas de forma mais intensa e são despelotadas por situações que nos parecem exageradas.

 


É de extrema importância reconhecer este facto e entender a origem dos seus comportamentos e sentimentos. É a comprensão que permite a ajuda.

 


Última atualização: 5/11/2015